GS Inima Brasil é destaque no seminário Aladyr 2019 em Salvador

Com a falta de recursos hídricos em várias regiões do Brasil o processo de dessalinização vem sendo debatido para solucionar a escassez ou acesso limitado a água em regiões metropolitanas.

O assunto foi discutido com a apresentação de palestras, fóruns e oficinas de aprendizagem durante a terceira edição do Seminário Internacional da Associação Latino-Americana de Dessalinização e Reúso de Água (Aladyr), que ocorreu nos dias 22 e 23 de maio, em Salvador (BA).

 

O evento contou com a participação de 300 pessoas, entre líderes do setor de dessalinização na América Latina e representantes de empresas que atendem o mercado com equipamentos e tecnologias no cenário mundial.

Durante a rodada de palestras, o gerente técnico do grupo GS Inima Brasil, Eduardo Berrettini, apresentou um estudo de viabilidade do primeiro grande projeto de dessalinização do Brasil que deverá ser implantado para atender a região metropolitana de Fortaleza (CE).

 

O estudo foi motivado em virtude da eminente crise hídrica que ameaça o estado do Ceará. A água consumida em Fortaleza, chega principalmente através do açude do Castanhão, que fica a 280 quilômetros da cidade e está operando apenas com 3% de sua capacidade.  

O projeto consiste na construção de uma usina com capacidade de tratar 1m³/s de água salgada, possibilitando abastecer 400 mil pessoas, cerca de 12% da população da região metropolitana de Fortaleza.

Foram considerados na constituição do projeto, entre outros aspectos, a melhor tecnologia de tratamento, localização e os menores custos de implantação e operação.

 

O Grupo GS Inima, idealizador do projeto, é especialista mundial em plantas dedicadas à dessalinização. Implantou a primeira planta de dessalinização do mundo em 1968, no arquipélago de Cabo Verde, na África. Outras iniciativas importantes realizadas pelo grupo estão na Espanha, Chile e Estados Unidos.

Outro assunto tratado durante o seminário Aladyr foi o da Medida Provisória (MP 868/2018) que atualiza o Marco Regulatório do Saneamento Básico. O diretor técnico da GS Inima Brasil, Giuliano Dragone, comentou que o texto da MP, ainda em tramitação no Congresso Nacional, visa criar uma uniformidade e padronização das normas regulatórias do setor, dando segurança jurídica para novos investimentos.

 

Segundo dados apontados no Panorama  da Participação Privada 2019, a iniciativa privada investiu R$ 1,98 bilhão em serviços de água e esgoto em 2017, ou 18,1% do total investido pelo setor de saneamento naquele ano (R$ 10,9 bilhões). Os dados demonstram que as concessionárias privadas e PPPs têm conseguido manter uma participação aproximada de 20% dos recursos aplicados no setor, mesmo estando presentes em apenas 6% das cidades brasileiras.